Feliz Ano Novo

Um Ano Novo repleto de paz, que as realizações neste ano alcançadas, sejam como sementes a serem colhidas, no ano que se   aproxima, com ainda mais sucesso!

Chegamos ao fim de mais um capítulo do nosso livro – pessoal e coletivo – e as páginas em branco do próximo capítulo já se mostram ansiosas para serem preenchidas.

Que a ’oportunidade’ seja parte do novo título e a ’união’ a ’dedicação’ e o ’sucesso’ sejam as palavras chaves.

Próspero Ano Novo à todos!

 

Anúncios

Naturologia em parceria com Instituto Kat Schurmann

O Instituto Kat Schurmann (IKS) fica localizado no município de Bombinhas,
litoral de Santa Catarina, 70 km ao norte de Florianópolis.

“Depois de 20 anos navegando pelo mundo em um veleiro, e motivada pela necessidade de colaborar de forma mais efetiva com a valorização do meio ambiente marinho, a Família Schürmann fundou em 1999 o Instituto Família Schürmann, uma entidade sem fins lucrativos e de caráter filantrópico.
Recentemente denominado Instituto Kat Schürmann, em homenagem a filha mais nova do casal Vilfredo e Heloisa Schürmann que faleceu em maio de 2006, a entidade tem o objetivo de contribuir para a manutenção da qualidade sócio-ambiental dos ambientes marinho e costeiro. Consolida suas ações através do desenvolvimento de pesquisas e da implementação de programas de educação ambiental.” (site da família shurmann)

Com uma área de 17.000 metros quadrados e com uma sede de 1.000 metros quadrados construída, o instituto oferece atividades diversas, como trilha ecológica, exposição de imagens e objetos das viagens da família Schurmann, exibição de filmes e teatros, atividades diversas no laboratório de educação ambiental, além do espaço “Jogos do Mundo” em parceria com o SESC onde os visitantes divertem-se com uma coletânea de diversos jogos de vários países.

Neste verão devido a parceria com o curso de Naturologia da UNISUL o IKS conta também com o “Espaço Hamonia”, onde alguns acadêmicos estarão desenvolvendo, ao longo de todo o verão, diversas atividades de atendimento aos visitantes com algumas práticas e também várias oficinas como de sabonetes, sais de banho, massoterapia e Yoga.


Venha conferir nossas atividades!

Saiba mais sobre a família e o Instituto em: http://www.schurmann.com.br

Convidamos os turistas para participar conosco de uma dança circular africana a noite na praia e eles aceitaram olha só:



Estudar faz bem ao coração

Mais anos de estudo podem significar menor risco de insuficiência cardíaca


As pessoas com menos anos de estudo parecem ter maior risco de sofrerem de insuficiência cardíaca – condição em que o coração falha em bombear o sangue para as outras partes do corpo -, segundo recente estudo dinamarquês. De acordo com os autores, essa doença ocorre com maior frequência na população de menor escolaridade.

Acompanhando, por 30 anos, mais de 18 mil pessoas, os pesquisadores notaram que os homens e mulheres com mais anos de estudo tinham aproximadamente metade do risco de serem internados por causa de insuficiência cardíaca, comparados com os de menor escolaridade. Publicados no European Heart Journal, os resultados indicaram, ainda, que a associação entre o nível socioeconômico e o risco da doença não poderia ser explicado por diferenças no estilo de vida.

Os pesquisadores destacam, no entanto, que mais estudos são necessários para avaliar as possíveis explicações em estágios pré-clínicos. “Um ponto a ser mencionado é o papel do estresse psicossocial no desenvolvimento de insuficiência cardíaca – isso tem recebido pouca atenção científica até agora”, escreveu a pesquisadora Eva Prescott, do Hospital Universitário Bispebjerg, na Dinamarca, que liderou o estudo.

Fonte: Blog Boa Saúde

 

Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade

O 11 Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade, acontecerá de 23 a 26 de junho de 2011 em Brasília.

“Nosso próximo congresso nacional contará com a presença de vários convidados nacionais e internacionais sendo que a maior parte da programação será sugerida pelos sócios e congressistas. Participe dessa construção! Haverá ainda amplo espaço para a apresentação de trabalhos científicos bem como concursos de contos, fotografias e vídeos.”

http://www.eventoall.com.br/familia2011/

A data para submissão de trabalhos científicos foi prorrogada até 15/02, saiba mais no site do evento. Aproveite esta oportunidade!

Descarte certo

Com atitude e consciência, podemos combater o excesso de lixo tóxico que vem provocando danos à saúde do planeta.

Texto • Patricia Berna

Sabe aquela geladeira antiga que você não usa mais? Ou mesmo os aparelhos eletrônicos deixados de lado? Ah, sem contar as pilhas e baterias aposentadas e os remédios vencidos? Se não bastasse a dúvida sobre o que fazer com essas coisas todas, ainda temos de tratá-las com cuidados especiais. “Por conterem substâncias tóxicas, quando descartados de forma incorreta no meio ambiente, esses e outros itens, como óleo de cozinha e lâmpadas, contaminam o solo e a água”, explica a doutora em engenharia química Carolina Afonso Pinto, formada pela Universidade de São Paulo (USP). “Para quem não recebe água tratada, a opção é captar de rios ou do lençol freático através de poços artesanais. É aí que mora o perigo”, alerta. Como a maioria desses objetos ainda é eliminada junto com o lixo comum nos chamados “lixões”, o impacto é certeiro. “Não há nenhum controle sobre eles, o que amplia a proliferação de gases tóxicos e líquidos poluentes, como o chorume. O resultado são as doenças, além de solo e ar poluídos”, declara Jorge Tenório, professor titular de engenharia de materiais da Universidade de São Paulo (USP). Como isso pode se agravar e nos trazer problemas futuros?

Basta olhar ao redor e ver a multidão de pessoas consumindo sem parar. E o pior: sem saber o que fazer com o que possuem. “Produzimos três vezes mais lixo eletrônico do que lixo comum, que já é insustentável ao planeta”, fala Heloisa Mello, diretora de operações do Instituto Akatu, em São Paulo. “Consumimos 30% além do que o mundo pode renovar, por isso entramos em uma espécie de cheque especial para sobreviver”, conta Heloisa. Exagero? Não quando observamos a quantidade de novidades lançadas a cada dia. “O consumo hoje é descartável. Os produtos têm pouca durabilidade e essa troca é intensa e rápida”, completa. O alerta nos convida a uma reflexão sobre o futuro de nossas ações daqui para frente. “Não podemos deixar para quando sentirmos na pele o problema. É melhor prevenir do que ter de tomar medidas mais duras depois”, reforça Dinah Monteiro Lessa, diretora do Instituto Recicle, em São Paulo.


Descarte consciente

Pare e pense em quantos objetos você compra, usa e joga fora diariamente. Saberia dizer quais eram realmente necessários? Você usou-os no mesmo instante ou só depois de semanas ou meses? Essas perguntas podem até parecer simples, mas ajudam muito na hora da decisão. “Devemos pensar no descarte assim que escolhemos o produto”, avisa Heloisa Mello. “O ideal é priorizar os que tenham durabilidade e uso imediato. Além disso, dê preferência às empresas que os fabricam com sustentabilidade”, reforça Dinah Monteiro Lessa. Por exemplo, observar se as embalagens são feitas de materiais recicláveis e se a empresa as recolhe quando perdem a utilidade já ajuda nessa missão. “As pequenas atitudes individuais resultarão em grande diferença. Se cada um fizer a sua parte, a consequência será gigantesca”, ressalta Heloisa Mello.

O esforço de todos colabora e, com a nova lei de resíduos sólidos, o caminho começa a ser traçado de forma mais rápida. Agora, os fabricantes de eletrônicos, eletrodomésticos, lâmpadas, óleos lubrificantes, pilhas e baterias deverão recolher seus produtos após o término de sua vida útil. Nas páginas a seguir, você verá como descartar de forma adequada todos os tipos de lixo tóxico, incluindo os remédios.

Fonte: http://www.bonsfluidos.abril.com.br

Meditação X Antidepressivos

Cientistas do Centro de Dependência e Saúde Mental (CAMH), no Canadá, constataram que a terapia cognitiva baseada na meditação da mente alerta oferece o mesmo nível de proteção contra a recaída da depressão que a medicação antidepressiva tradicional.

O estudo, publicado na edição atual do Archives of General Psychiatry, comparou a eficácia da farmacoterapia com a meditação da mente alerta, estudando pessoas que foram inicialmente tratadas com antidepressivos e, em seguida, ou pararam de tomar a medicação a fim de praticar a meditação, ou continuaram a tomar medicação por 18 meses.

“Os dados disponíveis sugerem que muitos pacientes deprimidos param com a medicação antidepressiva muito cedo, seja por causa dos efeitos colaterais, seja por não quererem ficar tomando o medicamento durante anos,” diz o Dr. Zindel Segal, coordenador do estudo.

Controle das emoções

A terapia cognitiva baseada na meditação é uma abordagem não-farmacológica que ensina habilidades no controle das emoções, de forma que os pacientes possam monitorar possíveis desencadeadores das recaídas, bem como adotar mudanças no estilo de vida que ajudem a manter um humor mais equilibrado.

Os participantes do estudo que foram diagnosticados com transtorno depressivo grave foram todos tratados com antidepressivos até a diminuição dos sintomas.

Eles foram então aleatoriamente designados para deixar a medicação e começar a aprender a técnica de meditação, deixar a medicação e receber um placebo, ou continuar com a medicação.

Essa proposta inovadora de pesquisa permite comparar a eficácia de prosseguir o tratamento farmacológico com um tratamento psicológico, em relação à manutenção do mesmo tratamento – antidepressivos – ao longo do tempo.

Os participantes escalados para a terapia com meditação participaram de 8 sessões semanais em grupo e se comprometiam a praticar diariamente em casa – uma espécie de dever de casa.

Foram realizadas avaliações clínicas a intervalos regulares em todos os participantes durante um período de 18 meses.

Recaída da depressão

As taxas de recaída para os pacientes no grupo da meditação foram as mesmas registradas entre os pacientes que continuaram recebendo antidepressivos – ambos na faixa de 30%.

Mas os pacientes que receberam placebo recaíram em uma taxa significativamente mais elevada – 70%.

“As implicações reais destes resultados é que eles confrontam diretamente a linha de frente dos tratamentos atuais da depressão. Para esse grupo considerável de pacientes que estão relutantes ou incapazes de tolerar o tratamento antidepressivo de manutenção, a meditação oferece o mesmo nível de proteção contra a recaída,” disse o Dr. Segal

Fonte: http://www.diariodasaude.com.br/

Um bom Natal


O “Feliz Natal” no mundo

fonte: www.arteducacao.pro.br

  • Brasil: Feliz Natal
  • Bélgica: Zalige Kertfeest
  • Bulgária: Tchestito Rojdestvo Hristovo, Tchestita Koleda
  • Portugal: Boas Festas
  • Dinamarca: Glaedelig Jul
  • EUA: Merry Christmas
  • Inglaterra: Happy Christmas
  • Finlândia: Hauskaa Joulua
  • França: Joyeux Noel
  • Alemanha: Fröhliche Weihnachten
  • Grécia: Eftihismena Christougenna
  • Irlanda: Nodlig mhaith chugnat
  • Romênia: Sarbatori vesele
  • México: Feliz Navidad
  • Holanda: Hartelijke Kerstroeten
  • Polônia: Boze Narodzenie