Amora

Morus spp  – M. alba e M. nigra

 

Família: Moraceae

Nomenclatura popular: amora, amora-branca, amora-preta

Parte utilizada/órgão vegetal: cascas da raiz, folhas e fruto

Indicações terapêuticas: afecções da boca, dentes, garganta e pulmão (como anti-inflamatória das mucosas do sistema respiratório), antitussígena, afecções da pele (dermatoses, eczemas, erupções como antipruriginoso), prisão de ventre (laxante), refrescante e diurético. Calores na menopausa.

Contraindicações: em diarreia crônica

Precauções de uso: em pacientes com história de diarreia frequente

Efeitos adversos: aumento do número de evacuações ou diarreia pastosa em intestinos com tendência à diarreia

Interações medicamentosas: não há relatos

Formas farmacêuticas: infuso, tintura, erva seca, xarope

Vias de administração e posologia (dose e intervalo): 10 a 20 mL de tintura divididos em 2 ou 3 doses diárias diluídos em água. Xarope tradicional: 2 xícaras de frutas frescas esmagadas maceradas em banho-maria no dobro do peso de açúcar mascavo. Tomar 1 colher de sopa d 6 em 6 horas, como expectorante ou 1 colher de chá diluída em água morna como colutório.

Tempo de utilização:

Superdosagem: não há relatos

Principais classes químicas: açúcares, flavonoides, taninos, mucilagens, pectina, peptona, ácidos orgânicos, vitamina C, sais minerais, óleos essenciais, gomas

Informações sobre segurança e eficácia: sem toxicidade nas doses recomendadas