Goiabeira

Psidium guajava

 

Família: Myrtaceae

Nomenclatura popular: goiaba, goiabeira

Parte utilizada/órgão vegetal: Ramos novos, com folhas jovens

Indicações terapêuticas: Tratamento da diarreia aguda não infecciosa e enterite

por rotavirus.

Contraindicações: Hipersensibilidade ou alergia à droga vegetal.

Precauções de uso: Não exceder a dose recomendada ou a duração do tratamento.

Efeitos adversos: Alergia aos componentes do fitoterápico

Interações medicamentosas: Não foram encontrados dados descritos na literatura consultada.

Formas farmacêuticas: Cápsulas ou comprimidos contendo a droga vegetal ou extrato seco, e infuso

Vias de administração e posologia (dose e intervalo):

Uso interno

Oral. Para diarreia: 500 mg da droga vegetal em pó (folha) três ou quatro vezes ao dia. Extrato seco 250 a 350 mg de 3 a 4 vezes por dia. Tomar uma dose de 150 mL do infuso de duas a três vezes ao dia.

Tempo de utilização: Não exceder a dosagem recomendada ou a duração do tratamento.

Superdosagem: Suspender o uso e manter o paciente sob observação.

Principais classes químicas: Flavonoides, terpenoides (sesquiterpenos e triterpenos) e taninos.

Informações sobre segurança e eficácia:Fitoterápico, isento de prescrição médica. Não foram encontrados dados descritos na literatura consultada sobre efeito toxicológicos.

Outras informações: Os índios Tikuna usam tradicionalmente a decocção das folhas e das cascas da goiaba para curar diarreia e disenteria, inclusive, a Farmacopeia da Holanda considera as folhas da goiabeira indicadas para o tratamento da diarreia. Os indígenas também usam para dor de garganta, vômitos, problemas de estômago, vertigem e para ajudar a regularizar períodos menstruais.

As folhas de goiaba são mastigadas para aliviar o mau hálito e estancar sangramentos na gengiva. O extrato de folhas é usado também como uma ducha para candidíase. As folhas são esmagadas e aplicadas em feridas e contusões. É dito que as folhas de goiaba mastigadas antes de iniciar o consumo de bebidas alcoólicas previnem o aparecimento de ressacas. A decocção da casca ou folhas ou infusão da flor é usada topicamente para úlceras e feridas na pele. As flores esmagadas são aplicadas em inchaços nos olhos, lesões oculares e conjuntivite. A goiaba é amplamente utilizada na medicina popular como um antisséptico natural, inclusive quando interage com outros antissépticos sintéticos e concentrados, potencializa os efeitos em função de suas propriedades hipoalergênicas (diminui as possibilidades da incidência de alergias).

Anúncios